PIX: descubra as sete dicas infalíveis para evitar golpes

Você provavelmente utiliza, ou conhece alguém que utiliza, o Pix. Esse sistema de transferência de dinheiro digital entrou em vigor em 2020 e desde então tem se tornado muito popular entre os brasileiros. Muitas pessoas, por exemplo, abandonaram o uso de dinheiro físico.

Isso não é surpreendente. O Pix tem se destacado como um método de transação muito mais simples e rápido. Além de ser totalmente gratuito, ele resolve problemas como a falta de troco e é conhecido pela rapidez: o dinheiro chega à conta do destinatário em questão de segundos.

Então, isso significa que o Pix só tem vantagens? Não. Toda essa conveniência também vem acompanhada de um sério problema: o aumento dos golpes. Ano após ano, criminosos aproveitam a popularidade desse novo sistema para roubar dinheiro das vítimas.

Para ajudar a evitar esses golpes, especialistas recomendam algumas medidas importantes que podem reduzir significativamente as chances de ser vítima de fraudes envolvendo o Pix. É crucial seguir cada uma delas atentamente.

Orientações para se proteger contra golpes envolvendo o Pix:

  1. Verifique cuidadosamente as informações fornecidas pelo QR Code antes de confirmar a transferência. Golpes frequentemente utilizam códigos falsos, por isso é essencial garantir que o valor e a conta de destino estejam corretos antes de prosseguir.
  2. Evite o uso de redes Wi-Fi públicas ao realizar transferências pelo Pix. Mesmo que não esteja efetuando uma transação no momento, é recomendável evitar esse tipo de conexão sempre que possível, pois pode ser menos seguro.
  3. Utilize apenas o aplicativo oficial do seu banco ou instituição financeira para realizar transferências pelo Pix. Evite clicar em links suspeitos enviados por terceiros, pois podem direcioná-lo para sites fraudulentos.
  4. Nunca revele mais informações do que o necessário ao realizar um Pix. Apenas a chave de destino e a senha do seu aplicativo são necessárias para efetuar a transação. Não compartilhe sua senha com ninguém e desconfie de solicitações de dados adicionais.
  5. Desconfie de ofertas muito vantajosas encontradas na internet, especialmente aquelas relacionadas a pagamentos pelo Pix. Na maioria das vezes, essas ofertas são golpes projetados para enganar as vítimas e roubar seu dinheiro.
  6. Antes de realizar um Pix a pedido de alguém, confirme a veracidade da solicitação entrando em contato diretamente com a pessoa por meio de outros canais de comunicação. Isso ajuda a evitar golpes em que criminosos se passam por conhecidos para solicitar transferências.
  7. Ative recursos de segurança adicionais em serviços como o WhatsApp, como a autenticação em duas etapas. Essa medida torna mais difícil para os golpistas acessarem sua conta, aumentando a segurança das suas comunicações online.

Dados do Pix

Recentemente, o Banco Central (BC) divulgou informações sobre os dados do Pix no Brasil. Abaixo estão alguns dos pontos principais destacados:

  • Cerca de 61% das transferências realizadas desde o lançamento do PIX até dezembro de 2022 foram de valores inferiores a R$ 100.
  • Entre as transações envolvendo apenas pessoas físicas como pagadoras, 93,1% delas foram de valores abaixo de R$ 200.
  • No caso de transações entre empresas privadas, observa-se uma concentração na faixa média de até R$ 500.
  • Considerando apenas transações entre empresas, cerca de 18,6% delas têm valores a partir de R$ 2 mil.

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.